Menopausa precoce

Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia, a menopausa precoce é caracterizada pela falência dos ovários, ocorrida antes dos 40 anos de idade, com ausência de menstruação por um ano ou mais.
Normalmente, a menopausa é precedida pelo climatério, período de transição da fase reprodutiva para a não-reprodutiva, quando os ovários, paulatinamente, diminuem sua produção de hormônios sexuais femininos, como o estrogênio. Somente após 12 meses sem menstruar é que é caracterizada a menopausa.
Isso, normalmente, acontece entre os 45 e 55 anos de idade e acarreta uma série de mudanças físicas e psicológicas importantes. Porém, para algumas mulheres, a menopausa chega com, pelo menos, 10 anos de antecedência, caracterizando um quadro de menopausa precoce.
Evidenciada pela falência dos ovários, com ausência de menstruação por um ano ou mais, não existe uma causa para a entrada na menopausa precoce. Para o seu diagnóstico, deve-se levar em consideração o histórico familiar, levando em conta quando a mãe e a irmã entraram na menopausa, e fatores como tabagismo, laqueadura e histerectomia (retirada do útero), que podem ocasionar a antecipação dessa fase.
Os sintomas são os mesmos que acometem mulheres a partir dos 45 anos, e incluem os fogachos, que atingem 80% das mulheres e aparecem subitamente, acompanhados de suor intenso e desconforto, e que podem durar de cinco a 30 minutos, suor noturno, ressecamento vaginal, diminuição do desejo sexual, insônia e instabilidade emocional.

Qualidade de vida
A menopausa precoce pode reduzir em muito a qualidade de vida da mulher. Por isso a importância do diagnóstico e tratamento adequados. Dentre os problemas que ela pode causar estão os de relacionamento, em função da perda de libido e diminuição do desejo sexual, dor durante as relações sexuais, devido ao ressecamento vaginal, até doenças mais graves, como as alterações cardiovasculares e a osteoporose.
Além desses, uma das grandes preocupações da menopausa precoce é a possibilidade de ocorrer em um momento da vida da mulher em que ainda não tenha constituído família, pois somente 10% dessas mulheres conseguem engravidar, tendo suas chances aumentadas mediante técnicas de fertilização in vitro.
Por isso, o surgimento de qualquer um dos sintomas deve ser relatado durante as consultas de rotina, para que o problema possa ser investigado e tratado a tempo.
O tratamento da menopausa precoce é realizado com reposição hormonal, considerando que decorre da deficiência dos hormônios, e com outros medicamentos que amenizem os sintomas, como óvulos e cremes vaginais, para atrofia vulvovaginal, gel hidratante intravaginal não hormonal, para ressecamento vaginal, antidepressivos, indutores do sono, entre outros.
Nunca tome medicamentos sem o conhecimento do seu médico.

Redação
Andrea Luna
Jornalista – MTB: 45.172

Colaboração
Dr. Alberto Guimarães
CRM-RJ 66.026
Obstetra, defensor do parto humanizado e fundador da Parto Sem Medo

Não tome medicamentos sem o conhecimento do seu médico.

Respeite a prescrição.

Copyright ® Teva 2015, todos os direitos reservados | Termos de Uso